domingo, 26 de dezembro de 2010

Arroto;

Eram três da manhã.

Deu um arroto de alívio. Aquele arroto que, além dos gases temperados com cerveja quente, expulsa o entalado, o preso, o atravessado e possibilita um respirar confortável, singelo. As barbies que tiveram a oportunidade de presenciar tal catarse gaseificada, não deram o devido valor ao fato. Reprovaram. Reprimiram. Castraram.

Fora um momento lindo.

Sugeriram pudor ao autor, ao artista, ao autista.

Mas como? Como seria possível dizer "não"? Perder a oportunidade de expressar o maior símbolo do insight naquele momento seria um crime. Um tiro no pé. Nunca faria isso, nunca fará isso. Ser justo, eis o lema.

Talvez seja exatamente por isso que não é possível - com facilidade - apaixonar-se pelo uno, único, essencial. Enxergar a loucura do outro. Talvez seja exatamente por isso que as pessoas tentam desesperadamente tornar-se uma variedade da mesma coisa. Uma cópia de uma coisa que não existe. A expressão dos desejos dos outros.

O prazer obtido pelo autor fora e é inexplicável. Tentar traduzir falsificaria o ocorrido. São apenas palavras. São apenas convenções sociais. Detesto-as.

2 comentários:

D & K disse...

Naum seria esse arroto e essa súbita atração por ele, uma representação típica do seu desejo inconsciente por possuir a si mesmo, ou seja, uma escolha objetal extremamente narcísica!! Reflita um pouco, e pare de beber!! Pq o analista aki sou eu pooowwwrrraa!! =D

Daíse disse...

http://www.youtube.com/watch_popup?v=eYfj3wei3X0