sábado, 12 de fevereiro de 2011

Medo;

Esse momento que antecede a tomada de iniciativa é angustiante. Sentado aqui, encarando a folha branca digital que clama por algo, deparo-me com a repetição. Minhas atualizações. Meus significados, tatuados no couro. Meus demônios, meus amigos. Meus.

O que retorna? O que regride?

A falta de coragem. O medo de falhar. O medo de crescer, capitão gancho. Neurotizo minhas fezes, meus produtos. Presentes ou perenes? Eis o medo, expulso e retido. O prazer de brincar de criança. A companhia do infantil. O diálogo e os sonhos. A loucura.

Senseless?

O sentido da vida é confuso. A morte é a única incerteza da vida, de vida. A não-vida é um estado constante. Independe de reações químicas, cambada de idiotas. Os seres canibais clamam por mais um pedacinho de carne. Os hipnotizados não acordam. Não escutam. Não reagem. Não.

Reduzir tudo isso à conexões sinápticas é infantil de mais. E muito simples. Banal. É como se, a fim de enxergar a complexidade do universo, usaríamos um microscópio. Olhar para fora. Entrar em contato. Viver, sofrer. Viver, morrer. Deixar sentir e ser sentido. Entregar-se ao erro! Eis a solução. Viver a simples complexidade do amor. O amor. A ciência corre atrás do próprio rabo, como um poodle feliz. Inventa nomes e fórmulas para explicá-lo. Tolinha.

E no outro lado do muro das universidades e dos pedestais de nossos doutores em porra nenhuma, o caos. As relações plastificam-se. O amor é um investimento financeiro. As sinapses representam a possibilidade de compra, de lucro. A ciência justifica o consumo. O silêncio também.

Os loucos, que sábios! Não residem aqui.

2 comentários:

Tiago A. V. disse...

Excelente.

Bia Mafra disse...

O que tem de mais legal no texto é o jogo de palavras e frases que usas pra "transpensar", chega a ser quase a mesma sensação de uma sinestesia;
Os pontos em seguida, interrompendo pensamentos [o que eu acho ducaralho sempre];
E o protesto.

Por mais que eu não saque tudo, os momentos que devem ser bem teus, no texto, ficou caralhante.

=)