quarta-feira, 15 de junho de 2011

Vivível;

Ela me olhava, me encarava. Na imensidão daquele olhar havia algo intrigante, inquietante. Algo que atraía. Que marcava o rosto, a pele, o corpo. O cheiro. Tentava disfarçar: sorria, vestia, escondia. Em vão. Deu pra perceber, tava na cara: era dor.

Identifiquei e me identifiquei.

O coração já gritava por descanso. Cansado de descaso. Sedento de calor. Esquecido no quintal, pegando chuva e sol. Desbotado. Porém, não estava só. Dormia chorando sob um manto de medo: amigo inseparável.

Chamei para entrar. Olhava pelas brechas do portão quebrado: o desconhecido. A vontade. O desejo. O medo. A promessa. O quarto escuro. A coragem. O conflito. A briga interna. O desejo. O medo. O desejo. O medo. O desejo. O medo. A coragem. A entrada. O primeiro passo.

A loucura.

A quebra do padrão. A entrega. A reconstrução. A possibilidade de autoconhecimento. A vontade de se entregar. Suicidar-se: investir afeto em outro objeto. Entregar vida. Tirar de si. Ter de volta. O lucro. O retorno. O amor.

O medo.

Eis quem retorna, quem resiste. Quem tenta afastar. Quem quer continuar sobrevivendo, apenas. Quem luta por ser como era: inerte. Zumbi.

A coragem. As lágrimas.

O quarto escuro ganha luz, calor e vida. Mostra-se confortável. Vivível. Aconchegante. Como as gotas de água que respingam na janela num dia de chuva. Um dormir abraçado. Saudável como o cheiro da sinceridade, da saudade.

A coragem. A felicidade. A eternidade.

O pra sempre que nem sempre acaba.

Um comentário:

João Bosco Maia disse...

Vagando nessas tantas ruas virtuais, encontrei tua porta de amante das Letras aberta - e entrei. Devo anunciar-me como um desses que diz "Oi, de casa! Trago aqui em minhas mãos a chave para dias melhores: escrevo e vendo livros!". Assim, venho te convidar para visitar o meu blog e conhecer as sinopses de meus romances, a forma de adquiri-los e, posteriormente, discuti-los. Três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
Um grande abraço literário,

João Bosco Maia